Bem-vindos!!!!

Este blog foi criado para professores de 4º e 5º ano que encontram dificuldades para achar atividades. Algumas são criadas por mim e outras selecionadas dos grupos que participo. Se alguma atividade é de sua autoria me escreva para que dê os devidos créditos. Revise o conteúdo antes de utilizar. Não possuo os gabaritos. Tenho apenas as atividades.

quarta-feira, 1 de maio de 2013



 Armandinho, o juiz

         Vocês conhecem o Armandinho?  Armandinho é o nosso juiz. Pois é juiz de futebol.   Todo sábado à tarde a gente joga bola lá no campinho, perto da casa do seu Manuel. O juiz toda vez é o Armandinho.  A turma se dá bem, a gente não briga muito não. Mas antigamente...
         Era assim: começava o jogo. Um pegava a bola, começava a correr. Vinha outro por trás e pimba! Pregava um pontapé.
         Armandinho apitava logo:
         - Piiiiii!
         O que tinha levado o pontapé gostava, é claro. Mas o que tinha dado... ficava danado!
         -Falta nada, eu não fiz nada, o Armandinho está torcendo por outro time!
         A torcida sempre vaiava:
         - Juiz ladrão! Juiz ladrão!
         Armandinho não ligava!
         - Vida de juiz é assim mesmo.
         Mas, uma vez, passou da conta.          A turma do Passa-por-cima veio jogar com a gente. Veio o Xande, o Edil, o Barriga. Veio o Nilo, o Flavião. Veio a turma toda.
         Logo no começo do jogo, o Barriga deu uma entrada no Caloca. Armandinho deu falta. Eles não  gostaram.
         Depois foi o Catapimba que deu um empurrão no Xande. Armandinho marcou. Fomos nós que não gostamos. E cada vez que o Armandinho marcava alguma coisa a torcida caía em cima:
         - Juiz ladrão, juiz ladrão ...
         Quando não xingava de coisa pior...    Mas o Armandinho não ligava.
         Foi quando o Armandinho marcou uma falta do Edil. Eu não sei contar direito como foi, só sei que saiu uma briga daquelas! A torcida entrou na pancadaria e todo mundo apanhou.        Mas quem mais apanhou foi o Armandinho, que saiu todo machucado. Precisou até passar iodo e botar esparadrapo.
         Aí o Armandinho se enfezou:
         - Sabe do que mais? Não quero mais ser juiz. Agora eu quero é jogar, me divirto muito mais e ninguém me chama de ladrão.
         Pra falar a verdade, a turma já estava meio enjoada daquele negócio de juiz, apitando toda a hora, interrompendo o jogo. O segundo tempo começou sem juiz. Logo de saída já houve uma dificuldade.
         Olha só! Duas bolas em campo. Enquanto o nosso time, o Estrela-d’Alva, atacava por um lado, o Passa-por-Cima atacava pro outro, com outra bola. Foram dois gols de uma vez.
         E pra resolver qual das duas bolas é que valia? Mas de meia hora de discussão!
         Depois de jogar um tempinho, nós começamos a achar que tinha muito jogador em campo.         Parou o jogo pra contar.
Nós estávamos jogando com sete e o Passa-por-Cima com nove. Essa não! Pra encurtar a história, sabe quantas vezes nós paramos o jogo?
Oito vezes!
Uma vez porque tinha duas bolas. Uma vez porque tinha gente demais.
Uma vez porque o Caloca pegou a bola com a mão e disse que não tinha pegado. Uma vez porque o Edil e o Barriga esqueceram que eram do mesmo time e resolveram brigar no meio do campo. E, cada vez que o jogo parava, levava um tempão para resolver o caso. Cada um achava que tinha razão, não queria saber de nada:
- Não fui eu, foi o Barriga!
- Ninguém viu, é mentira dele!
- Foi ele que começou!
E o jogo não ia nem pra frente e nem pra trás. Foi aí que o Beto gritou:
- Também, essa droga de jogo nem tem um juiz...
Todo mundo olhou pro Armandinho. Armandinho fingiu que não entendeu. O Xande insinuou, meio sem jeito:
- É, o juiz esta fazendo uma bruta falta.
Armandinho não deu sinal de ter entendido.
Afinal, nós mandamos o Catapimba, que é o mais jeitoso da turma, falar com ele. No começo, o Armandinho  não queria nem por nada. Quer dizer, parecia que não queria...
-Ah! Vocês querem que eu seja o juiz porque o jogo está bagunçado. Mas é só eu apitar uma falta e todo mundo me chama de ladrão.
- A gente não chama mais, nunca mais, palavra de honra!
Agora sempre que a gente joga, o Armandinho é o juiz.
Vocês podem perguntar:
- E vocês, não chamam mais o Armandinho de ladrão?
- Bem, chamar, a gente chama, mas agora a gente sabe que o jogo sem juiz não dá pé. A gente chama só pra não perder o hábito...
Ruth Rocha
Armandinho o Juiz, FTD

Interpretação de texto 

1) A turma sempre reclamava de Armandinho, mas ele não se importava. Quando foi que ele se enfezou?


2) Destaque os problemas que os dois times enfrentaram por jogarem sem juiz?


3) O que Armandinho disse ao deixar de ser juiz?


4) Mesmo sabendo que não dava pra jogar sem juiz, a turma ainda chamava Armandinho de ladrão. Como o narrador justifica isso?


5) Essa história está sendo contada por um dos jogadores e ele é, ao mesmo tempo, personagem e narrador. Copie do texto um trecho que mostre a presença desse narrador – personagem.



6) Olha só quantos animais soltos na nossa página! Observe os encontros de  sons vocálicos nos nomes dos animais e separe-os em dois parques diferentes.

beija-flor
boi
papagaio
canário
besouro
carneiro
gaivota
faisão
piolho
leopardo
tamanduá
coala
hiena
coelho
joaninha
baleia
centopéia
arraia
cutia
cão

a) Parque dos ditongos:
__________________________________________________________________________________________________________________________________

b) Parque dos hiatos:
__________________________________________________________________________________________________________________________________

c) Você deve ter percebido que há animais que podem estar nos dois parques. Quais são eles?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

b) Separe as sílabas dos nomes desses animais.






d) Agora explique por que os nomes desses animais podem pertencer aos dois parques: ao parque dos ditongos e ao parque dos hiatos.

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

7) Leia o trecho e separe as palavras destacadas classificando quanto á silaba tônica:

Nós estávamos jogando com sete e o Passa-por-Cima com nove. Essa não! Pra encurtar a história, sabe quantas vezes nós paramos o jogo?
Oito vezes!
Uma vez porque tinha duas bolas. Uma vez porque tinha gente demais.
Uma vez porque o Caloca pegou a bola com a mão e disse que não tinha pegado. Uma vez porque o Edil e o Barriga esqueceram que eram do mesmo time e resolveram brigar no meio do campo. E, cada vez que o jogo parava, levava um tempão para resolver o caso.

OXÍTONA
PAROXÍTONA
PRPAROXÍTONA














5 comentários:

Deixe aqui seu comentário, é muito importante!!!