Bem-vindos!!!!

Este blog foi criado para professores de 4º e 5º ano que encontram dificuldades para achar atividades. Algumas são criadas por mim e outras selecionadas dos grupos que participo. Se alguma atividade é de sua autoria me escreva para que dê os devidos créditos. Revise o conteúdo antes de utilizar. Não possuo os gabaritos. Tenho apenas as atividades.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Piscina


Era uma esplêndida residência na Lagoa Rodrigo de Freitas, cercada de jardins e tendo ao lado uma bela piscina. Pena que a favela, com seus barracos grotescos se alastrando pela encosta do morro, comprometesse tanto a paisagem.
             Diariamente desfilavam diante do portão aquelas mulheres silenciosas e magras, lata d’água na cabeça. De vez em quando surgia sobre a grade a carinha de uma criança, olhos grandes e atentos, espiando o jardim. Outras vezes eram as próprias mulheres que se detinham e ficavam olhando.
             Naquela manhã de sábado, ele tomava seu gim-tônica no terraço, e a mulher um banho de sol, estirada de maiô à beira da piscina, quando perceberam que alguém os observava pelo portão entreaberto.
            Era um ser encardido, cujos molambos em forma de saia não bastavam para defini-lo como mulher. Segurava uma lata na mão e estava parada à espreita, silenciosa como um bicho. Por um instante as duas mulheres se olharam, separadas pela piscina.
            De súbito, pareceu à dona da casa que a estranha criatura se esgueirava, portão adentro, sem tirar dela os olhos. Ergueu-se um pouco, apoiando-se no cotovelo, e viu com terror que ela se aproximava lentamente; já transpusera o gramado, atingira a piscina, agachava-se junto à borda de azulejos, sempre a olhá-la, em desafio, e agora colhia água com a lata. Depois, sem uma palavra, iniciou uma cautelosa retirada, meio de lado, equilibrando a lata na cabeça e em pouco sumia-se pelo portão.
            Lá no terraço, o marido, fascinado, assistia a toda a cena. Não durou de um ou dois minutos, mas lhe pareceu sinistra como os instantes tensos de silêncio e de paz que antecedem um combate.
             Não teve dúvida: na semana seguinte vendeu a casa.
  
Fernando Sabino
Vocabulário

À borda – à beira.
À espreita – observando.
Alastrar – espalhar.
Anteceder – vir antes.
Cautelosa – cuidadosa, estratégica.
Comprometer – prejudicar, enfeitar.
De súbito – de repente.
Deter – parar.
Encosta – ladeira, rampa.
Entreaberto – meio aberto.
Esgueirar – movimentar-se com cautela.
Esplêndido – bonito, majestoso.
Fascinado – encantado, maravilhado.
Grotesco – feio, grosseiro.
Molambo – trapo.
Sinistro – triste, trágico.
Transpor – passar além de, atravessar. 

CONHECENDO O TEXTO 

 1 -  Encontre, no texto, o correspondente a:
a. majestoso___________________
b. passavam___________________
c. paravam______________________
d. de repente____________________
e. espalhando_________________
f. cuidadosa___________________

2.  Substitua a palavra sublinhada por outra de sentido contrário (antônimo) encontrada no texto.
a. Os garotos olhavam admirados as bonitas residências.
b. Ela desaparecia silenciosamente.
c. As famílias estavam unidas  pela desgraça.
d. Crianças barulhentas e gordas brincavam no parque.
3 - Retire do texto uma frase que descreve a mulher da favela e outra que descreve a dona da casa.

4 -  Reescreva as frases, mantendo a mesma idéia.
a. “Diariamente desfilavam diante do portão aquelas mulheres silenciosas e magras, lata d’água  na cabeça”.

Frase  reescrita: Todos os dias passavam, em frente do portão, aquelas mulheres esqueléticas e caladas, com lata d’água na cabeça

b. “De súbito pareceu à dona da casa que a estranha criatura se esgueirava, portão adentro, sem tirar dela os olhos”.

Frase reescrita:
_________________________________________

c. “Lá no terraço, o marido, fascinado, assistia a toda a cena”.

Frase reescrita:   
_________________________________________
d. “... em pouco sumia-se pelo portão”.

Frase reescrita:
________________________________________

5 - Complete:
a. O texto está dividido em____________________parágrafos.
b. As personagens que fazem parte da história são_____________
c. A cena se passa no_______

d) Diante da atitude da mulher da favela (invasão), o casal teve reações diferentes. A mulher ficou _________ e o marido ficou ___________ 

6 -  Numere as frases segundo a seqüência das ações apresentadas no texto.
a) (   ) O olhar curioso das crianças espiando o jardim.
b) (   ) Mulheres silenciosas e esqueléticas, com lata d’água na cabeça.
c) (   ) A decisão da venda da casa.
d) (   ) O descanso do casal  no final de semana.
e) (  ) A aproximação da mulher da favela que deixa a dona da casa aterrorizada.
f) (   ) O  ato de apanhar água na piscina e a saída cuidadosa. 

7-  Responda, com suas palavras, de acordo com o texto.
a. O que faziam os donos da casa?
b. O que fez a mulher da favela?

 CONHECENDO O TEXTO 

1 - Podemos resumir cada  parágrafo numa frase  sem ver verbo (frase nominal) que representa as idéias principais.

Resumimos alguns e você fará os outros.
a. 1º parágrafo:  A localização da mansão próxima à favela.
b. 2º parágrafo:  ____________________
c. 3º parágrafo: O descanso dos donos da casa e a chegada da mulher favelada.
d. 4º parágrafo:___________________
e. 5º parágrafo: ____________________
f) 6º parágrafo:____________________
g. 7º parágrafo:  A reação do dono da casa.

2 - Responda, com suas palavras, de acordo com o texto.
a. Qual a intenção do narrador ao usar a palavra “pena” (linha 2)?

b. Construa uma frase com a palavra “pena” com sentido diferente do emprego no texto.

c. Copie a expressão do 5º parágrafo que nos mostra que a mulher da favela não agiu com humildade.

3 - Explique a frase:
“Era um ser encardido, cujos molambos em forma de saia não bastavam para defini-la como mulher”.

4 - Com a frase
“... e agora colhia água com a lata”, o narrador quer demonstrar que a mulher da favela  era:
a) (   ) solidária
b) (   ) ousada, atrevida
c) (   ) simpática
d) (   ) simples 

5. O narrador não faz qualquer referência à mulher da favela como ser humano, apenas como um ser indefinido, ou sujo, ou estranho. Observe, no texto, “alguém” (linha 12), “ser encardido” (linha 13) e “estranha criatura” (linha 17).

Com essas expressões, a intenção do narrador seria mostrar que:
a) (   ) pobre não tem realmente aparência humana.
b) (   ) pobre não tem sentimento.
c) (   ) o rico não vê o pobre como um  ser humano como seu semelhante.
d) (   ) o pobre  será sempre uma ameaça à vida do rico.

6 - “ Diariamente desfilavam diante do portão aquelas mulheres silenciosas e magras...”.
a) (   ) da mansão, assistia-se aos desfiles das escolas de samba do morro.
b) (   ) as pessoas do morro passavam uma após outras, para irem buscar água.
c) (   ) as crianças gostavam de participar dos desfiles. 

7 - Escolha mais de uma resposta, assinalado-as com um ( X )
Com a venda da mansão, os moradores demonstraram
a) (   ) egoísmo e falta de solidariedade
b) (   ) que são incapazes   desenvolver   um   convivência    fraterna   com vizinhos pobres.
c) (   ) que não queriam perturbar os favelados.
d) (   ) que sabem repartir seus pertences com os mais carentes. 

8 - O que nos mostra que a cena não agradou o dono da casa? Comente a atitude dele após a invasão da mulher.

9 - Diante da “invasão” da favelada, o que você faria se fosse os donos da casa? Por quê?

10 - Imagine a seguinte situação: você mora numa favela, em seu barraco não há água e ao lado existe uma mansão com piscina. O que você faria para conseguir água? Justifique.

11 - Dê outro título ao texto que você considere mais sugestivo.

12 - Dê outro desfecho (final) para a história.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, é muito importante!!!